fbpx
Grupo QG

BLOG

Sejam bem vindos ao blog do Instituto Grupo QG, aqui
você fica sempre atualizado sobre nossas novidades.

A diferença entre investir em franquias e licenciamento


franquias e licenciamento

O que precisamos saber sobre franquias e licenciamento

Abrir as portas do próprio negócio é algo que faz parte do sonho de praticamente todas as pessoas, principalmente daquelas que se sentem insatisfeitas em seus trabalhos atuais, ou que estão desempregadas há algum tempo, e desejam empreender, para saírem desta situação. 

Em muitos casos, estas pessoas já sabem o tipo de empresa que querem abrir, o que é algo muito bom para direcionar suas ações. No entanto, existem diversos casos em que, além de não saberem qual caminho seguir, alguns profissionais esbarram em inúmeras questões burocráticas, que envolve tudo aquilo que está relacionado a abrir um negócio do zero. 

E é exatamente neste contexto que se encaixam os modelos de negócio das franquias e do licenciamento de marca, que, por trabalharem com algo já estabelecido no mercado, acabam por se tornar uma opção mais assertiva, capaz de trazer retornos verdadeiramente positivos para todo e qualquer perfil de empreendedor. 

Mas você sabe a diferença entre estes dois tipos de negócios? Acompanhe-nos na leitura deste conteúdo e descubra o que é cada um. 

O que é franquia?

Já falamos algumas vezes neste blog sobre o que é franquia, mas, neste caso, é importante esclarecer, pois estamos falando de modelos de negócio que, apesar de parecidos, possuem suas particularidades, que precisam ficar bem claras, principalmente para quem pensa em começar a empreender agora. 

Assim, quando assunto são as franquias, é fundamental ter em mente que se trata de uma modalidade em que determinada empresa, também chamada de franqueadora, é proprietária da marca e concede a empresários investidores, conhecidos como franqueados, o direito de fazerem uso desta marca no mercado.

Isso quer dizer que, ao passar por um processo de triagem e realizar o devido investimento financeiro, o empreendedor passa a ter o direito de comercializar o mesmo tipo de produto ou serviço que a franqueadora oferece, e também o mesmo conceito e imagem de marca, nas regiões e localidades onde ele se encontrar.

Em nosso dia a dia, é fácil nos depararmos com diversos exemplos de franquias, como é o caso das mais famosas, como as do Grupo QG, McDonald’s, Cacau Show, Starbucks, entre diversas outras, que demonstram o quanto este modelo de negócios realmente tem a possibilidade de trazer retorno positivo a quem nele tem a oportunidade de investir. 

De acordo com a Associação Brasileira de Franchising – ABF, só em 2019 o faturamento das franquias cresceu 6,9%, tendo também um aumento na quantidade de unidades em operação neste modelo de negócio, que foi de 5,1%. 

Entre as principais características as quais o empreendedor interessado em investir neste setor precisa estar atento é que é necessário que, em sua unidade, ele respeite o padrão de qualidade da marca, recebendo, para isso, o devido treinamento, suporte e know-how relacionado à matriz, com informações sobre o sistema e modelo de gestão, utilizados pela franqueadora, para que, dessa maneira, ele possa trabalhar no desenvolvimento do negócio da melhor forma possível. 

Além disso, o empresário que se tornará franqueado, vai ter a oportunidade também de aprender todos os caminhos que precisa trilhar, para trabalhar em sua unidade, que vão desde modelo de gestão de pessoas, que ele precisa seguir, para lidar com seus colaboradores, até o plano de arquitetura do espaço físico de sua empresa. 

Isso quer dizer que ele, enquanto empresário investidor, terá em suas mãos uma receita de sucesso, que deverá seguir à risca, para realmente alcançar bons resultados em sua operação.

É um formato que confere segurança a investidores, pois, no momento em que surgirem dúvidas, por exemplo, estes poderão contar com o apoio e o suporte do franqueador, que poderá, inclusive, enviar consultores de campo para ajudá-los. 

Já, no que diz respeito a investimentos financeiros, o que se sabe é que, para abrir uma franquia, o empresário gastará um pouco mais do que se optar por investir em licenciamento da marca.

O que é o modelo de licenciamento?

Seguindo adiante com os pontos a serem esclarecidos neste conteúdo, agora vamos falar sobre o modelo de licenciamento. Ele basicamente funciona em um formato em que o empresário interessado faz aquisição de uma licença, para que assim tenha direito de fazer o uso da marca, inserindo-a em seus produtos e serviços e, consequentemente, comercializando-os. 

De acordo com profissionais especializados nesta área, trabalhar com o licenciamento de uma marca, não necessariamente tem a ver com vender, mas assim com a possibilidade de oferecer às pessoas a emoção e o sentimento que determinada marca ou personagem representam para elas. 

Entre os exemplos mais conhecidos de licenciamento que temos contato em nosso dia a dia estão os produtos vendidos com os personagens da Disney, que encontramos em lojas de departamento, supermercados, farmácias e diversos outros tipos de estabelecimentos.

Com relação aos números relacionados ao negócio de licenciamento, em 2017 o modelo faturou para o varejo R$ 18 bilhões e em 2019 o faturamento saltou para, nada mais, nada menos, que R$ 20 bilhões, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Licenciamento – Abral.

Ainda de acordo com a entidade, os últimos 5 anos tiveram um crescimento bastante expressivo nas vendas, chegando a incríveis 50%, sendo que o setor que mais se destacou e teve marcas licenciadas foi e continua sendo o de entretenimento, estando marcas como Harry Potter, Marvel e Star Wars.

Com estas informações conseguimos observar que as principais características do formato de licenciamento são a compra somente da licença, para se fazer a comercialização de produtos ou serviços, utilizando a marca nestes. 

Aqui, a empresa matriz apenas determina as diretrizes a serem seguidas pela unidade licenciada, para que o processo de comercialização ocorra de maneira conforme, mas ela oferece pouco suporte na operacionalização em si. Sendo assim, entende-se que o empreendedor que faz o investimento no formato, atua de maneira mais independente, ficando sob sua responsabilidade a gestão da unidade. 

Assim, dentro deste mercado, o empresário possui maior autonomia e liberdade, porém, corre um risco operacional maior.

Diferenças entre franquias e licenciamento

Nos parágrafos acima já conseguimos observar um pouco sobre as diferenças que existem entre franquias e licenciamento. Mas vamos falar mais sobre eles, para que fique claro e não haja confusão entre os termos e, principalmente, entre os dois modelos de negócio. 

Suporte 

Como vimos, no licenciamento, o empresário conta com pouco suporte da empresa matriz, sendo ele responsável pela gestão da sua unidade. Já no caso das franquias, os investidores contam com todo o suporte e treinamento necessários, oferecido pela empresa franqueadora, para que a atuação dentro das unidades franqueadas ocorra conforme os padrões de qualidade estabelecidos.

Autonomia

Neste quesito, o franqueado tem o seu processo criativo, bem como a sua autonomia limitados, já que têm um padrão a ser seguido na unidade de sua responsabilidade. No caso do licenciamento, o empresário já tem uma autonomia maior e também mais liberdade para operar e implementar as mudanças que acreditar necessárias. 

Taxas

No formato de licenciamento o empresário não tem a obrigatoriedade de pagar taxa de adesão à marca. Porém, no modelo de negócios de franquias, é obrigatório que o investidor interessado faça este pagamento. 

Publicidade e propaganda

Este é um ponto em que o investidor interessado em uma franquia, precisa precisa pagar a taxa de fundo de propaganda, que serve para a divulgação da marca. Já no modelo de licenciamento, este processo ocorre a cargo do próprio empresário, que decide quanto e como deseja gastar com publicidade. 

Direito de uso

O licenciamento dá ao empresário apenas o direito de fazer uso da marca em seus produtos ou serviços. O modelo de franquia oferece um pouco mais, que no caso é a transferência de know-how, de manuais de operação, bem como do negócio formatado. 

Contratos

Por fim, no que diz respeito aos contratos, o licenciamento firma um acordo de menor duração, em que as partes têm poucas obrigações uma com a outra, situação que não acontece no modelo de franquias, já que o contrato deste tipo de negócio dura mais tempo e confere mais obrigações entre os envolvidos. 

As diferenças entre cada modelo são sutis, mas essenciais para a condução de um negócio. Assim, se você está interessado e em dúvida sobre qual escolher, a dica é que estude mais sobre cada um, analisando qual deles se encaixa melhor ao seu perfil de empreendedor, para que, dessa maneira, a sua escolha seja realmente assertiva. 

Agora, conta pra gente: você já conhecia as diferenças entre franquia e licenciamento? Gostou de saber mais sobre cada um destes modelos de negócio? Deixe nos comentários as suas impressões sobre o texto e lembre-se de continuar acompanhando nossos conteúdos diários.